HISTÓRIA PARA VOCÊ RECORDAR

No dia 16 de junho de 2002, na cidade de Patrocínio (MG) aconteceu o lançamento da Pedra Fundamental do Museu Nacional dos Transportes, criado pela Fundação Educacional e Cultural Catinguá. Na festa de lançamento, grandes nomes do setor de transporte, empresários e políticos, se fizeram presentes, entre eles, o prefeito da cidade de Patrocínio, Roberto Queirós do Nascimento, deputado federal, Romeu Queirós, o empresário Neném Constantino sua mulher Áurea e filhos, além de secretários estaduais e municipais, autoridades do DER e DNER, órgãos de imprensa de todo o Brasil e grupos de crianças da APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), estes caracterizados em trajes de época.

No evento houveram apresentações da Corporação Musical Abel Ferreira e coral da Associação Patrocinense Eterna Juventude (APEJ). Foram lidos poemas alusivos ao evento pelos patrocinenses, João Eustáquio Guarda e Maria Silva de Jesus.

Patrocínio e região constituem o berço que viu nascer as maiores empresas de transportes do Brasil. Uma realidade que foi por muito tempo o sonho de um idealizador. Essa realidade pertence agora a todos aqueles que abraçam este ideal. Criado pela fundação Educacional e Cultural Catinguá, o Museu Nacional dos Transportes será consolidado através de parcerias com a Casa da Cultura tendo como objetivo principal resgatar a história de municípios que formam o berço do transporte. Com isso, vai ser possível desenvolver também o turismo na região. A continuidade deste projeto depende do esforço de todos para seu desenvolvimento progressivo.

Esse projeto visa acenar a um grande contingente de empresários ligados ao transporte para transformar a cidade de Patrocínio no celeiro do transporte coletivo em todo o Brasil, para desenvolvimento de investimentos futuros e também, ampliar a idéia pelos múltiplos setores da indústria automobilística, naval e aérea, com suas respectivas representações técnicas de grande expressão empresarial por todo país, para que participem também deste projeto, seja por meio da cessão de mais acervos representativos de sua história, seja adotando um dos vários estandes à disposição para a própria divulgação da empresa.

O museu é direcionado a pesquisas escolares, ponto de encontro das famílias e centro de convenções de eméritos empresários brasileiros e de outros países. O que contém no projeto? Painéis representativos do 60 anos do SETPESP (Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário do Estado de São Paulo); painéis da SPTRANS (São Paulo Transportes), alusivos aos 50 anos de história dos trólebus do Brasil; exposição fotográfica da cidade, idealizada pela Fundação Casa da Cultura, de Patrocínio/MG; maquete do projeto global; ônibus / museu, da empresa Reunidas Paulista de Transportes; modelos de jardineiras, carros-de-bois veículos de passeio e ônibus antigos; vários pôsteres e painéis com registros históricos, o que caracteriza a diversibilidade e a amplitude do projeto. Sem contar as ilustrações dos segmentos ferroviário, marítimo e aéreo. Isso engloba toda e qualquer referência ao transporte comercial de passageiros. Enfim, uma verdadeira viagem na história da evolução dos transportes.